SBB

segunda-feira, 26 de junho de 2017

REFLEXÃO

Texto: 2 Coríntios 6.1-13
 
“Escutem! Este é o tempo em que Deus mostra a sua bondade. Hoje é o dia de ser salvo.” (2Co 6.2)
 
       Você sabe quando a gente está esperando muito alguma coisa e, de repente, aquele dia chega? É hoje! Só quem já aguardou algo e viu acontecer é que sabe o que é essa sensação.
      Para quem gosta de festa junina, por exemplo, é hoje! Hoje é o dia em que se lembra de São João Batista. E muitos católicos e vários evangélicos lembram desta data, por se tratar do dia de alguém que foi elogiado por Jesus como um servo fiel. Claro que hoje, esse dia é mais uma festa popular e folclórica, mas é por causa do dia de João Batista.
      Talvez você ainda esteja se lembrando do início deste ano. Quantos planos para o ano você fez? Provavelmente muitos deles ficaram pelo caminho, como em outros anos. Talvez o plano seja começar uma dieta ou fazer exercícios. Daí, como hoje é sábado, alguém vai dizer: “Segunda-feira eu começo, sem falta”. Mas, sabe de uma coisa? Não vai começar. Quando deixamos para amanhã, o amanhã se encarrega de nos levar a esquecer.
      Como Deus nos busca hoje, também hoje é o dia de ouvir a Palavra dele. Deus quer mostrar a bondade dele a você. E é hoje. O apóstolo Paulo nos diz: “Escutem! Este é o tempo em que Deus mostra a sua bondade. Hoje é o dia de ser salvo” (2Co 6.2).
       É hoje! Amanhã pode ser muito tarde. Você está longe de Deus? Volte hoje. Você está brigado com alguém? Perdoe e peça perdão hoje. Hoje é o dia de ser salvo. Jesus Cristo oferece a você a salvação. Não desperdice seu tempo com coisas que não são importantes. O que não é importante mesmo, deixamos para amanhã. Mas a salvação é oferecida hoje para você. Creia em Jesus e você será salvo.
      Oremos: Misericordioso Senhor, hoje estou aqui, meio sem rumo. Caminhando em um mundo de sombras e escuridão. Meus caminhos muitas vezes me afastaram de ti, mas sei que ainda hoje estás me buscando para salvar-me. Perdoa meus pecados e leva-me para junto de ti. Em nome de Jesus, meu Salvador. Amém.

domingo, 25 de junho de 2017

CONFISSÃO DE AUGSBURGO

No dia 25 de Junho, a Igreja celebra a Apresentação da Confissão de Augsburgo - a carta magna do Luteranismo. Por isso, a cada dia estaremos compartilhando um artigo de nossa Confissão, para que assim - 487 anos depois - continuemos a testemunhar aquilo que cremos, ensinamos e confessamos!
 
 
Confissão de Augsburgo
Artigo I - "DE DEUS"
"Em primeiro lugar, ensina-se e mantém-se, unanimemente, de acordo com o decreto do Concílio de Nicéia, que há uma só essência divina, que é chamada Deus e verdadeiramente é Deus. E, todavia, há três pessoas nesta única essência divina, igualmente poderosas, igualmente eternas, Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, todas três uma única essência divina, eterna, indivisa, infinita, de incomensurável poder, sabedoria e bondade, um só criador e conservador de todas as coisas visíveis e invisíveis. E com a palavra 'persona' se entende não uma parte, não uma propriedade em outro, mas aquilo que subsiste por si mesmo, conforme os Pais usaram esse termo nesta questão. Rejeitam-se, por isso, todas as heresias que são contrárias a esse artigo, como os maniqueus, que afirmaram a existência de dois deuses, um bom e um mau; também os valentinianos, arianos, eunomianos, maometanos e todas as similares, também os samosatenos, os antigos e os novos, que afirmam uma só pessoa e sofismam acerca do Verbo e do Espírito Santo, dizendo não serem pessoas distintas, porém que o Verbo significa palavra ou voz física, e que o Espírito Santo é movimento criado em suas criaturas".
Leia em sua Bíblia:
Deuteronômio 6.4; São Mateus 28.19; São João 10.30; Atos dos Apóstolos 5. 3-4; Romanos 5. 1-5; 1ª de São João 2.23
Medite em seu Hinário Luterano:
"Em unidade és três, ó Deus" (145 HL)

SERMÃO PARA DOMINGO

25 de junho de 2017
3º Domingo após Pentecostes
Sl 91.1-10; Jr 20.7-13; Rm 6.12-23; Mt 10.5,21-33
Tema: Ministério da Misericórdia
     Os versículos 16 ao 42 do evangelista Mateus é uma seção com muitos temas. Mas, todos os temas conduzem a preparação dos discípulos para o futuro ministério: o ministério da misericórdia. Esse por sua vez só seria efetivado após a crucificação e ressurreição de Jesus.
     Jesus adverte sobre a oposição e perseguição que os apóstolos e discípulos sofreriam por causa do nome de Jesus.
     Há quem diga que os ensinamentos resumidos no capítulo 10 por Mateus foram muitas lições dadas em vários dias. Os versículos 9 a 15 são encontrados em partes do evangelho de Marcos e Lucas. Ecos dos versículos 17 a 25 se encontram na parte escatológica de Marcos 13 e Lucas 21. Os ensinos dos versículos 26 a 30 são encontrados dispersos no evangelho de Lucas. Os versículos 40 a 42 são particulares do evangelho de Mateus.
     Mateus capítulo 10 caracteriza a comissão e a missão dos apóstolos. Jesus fala da natureza da missão e a resposta dos que iriam receber a missão da misericórdia, graça e fé. Alguns receberiam e outros rejeitariam. A maior parte desse capítulo 10 aponta o lado negativo da missão, ou seja, a violência e a oposição ao evangelho.
     Jesus não engana ninguém diante do chamado, da capacitação e do envio. De maneira muitos honesta, Jesus fala sobre as consequências para aqueles que estão no reino, principalmente os apóstolos, ou seja, os que aprenderam e receberam autoridade de Jesus para ensinar, curar e expelir demônios.

     Os versículos 16 a 25 apontam as três fontes da perseguição
Não espantem, mas a primeira é da própria igreja; segundo, do governo desse mundo e terceiro, da família.
     Como reagir?quem ficar firme até o fim será salvo”.
     Permaneça assim como é enviado, ou seja, como ovelha. A ovelha é um animal dócil, frágil e sem defesas próprias e precisa do grupo e do pastor.
Não se preocupe com os lobos que atacam sem dó nem piedade os discípulos e apóstolos de Cristo. O não preocupar-se está no fato de que Jesus é o bom pastor. E sendo ovelha do bom pastor, mesmo que eu ande por um vale escuro como a sombra da morte, não temerei, pois ele está comigo. Essa foi a promessa do Senhor ressuscitado: “estarei convosco todos os dias até a consumação dos séculos”.
     Sempre houve, há e haverá àqueles que emplacam maldades para destruir os mensageiros de Cristo. Mas, graças a Deus, não são todos assim.
     Não comentarei hoje sobre a perseguição eclesiástica e política ao evangelho e pregadores do evangelho. Quero destacar as palavras do versículo 21 que fala sobre a perseguição que há na própria família.
     A conversão dos primeiros gentios ao cristianismo nos auxilia na compreensão dessas palavras de Jesus. Muitos dos ex gentios tiveram que abandonar toda a tradição religiosa familiar e assim passaram a ser odiados e detestados pela própria família.
     Na transição entre a idade média e a moderna, Lutero foi excomungado numa época em que poderia ter sido morto como um cachorro de rua, isso por ter virado as costas a tudo aquilo que estava contra a Palavra de Deus.
É natural, mesmo em pleno século 21, pessoas que ao abandonar sua tradição religiosa, passam a ser odiados e detestados pelo restante da família.
     Jesus anunciou pelo apóstolo João em Apocalipse: “quem ficar firme até o fim será salvo” (Ap 2.10).


O conselho de Jesus sobre ser astuto como as serpentes e manso como os pombos é para que os apóstolos diante da perseguição saibam que é preciso refugiar-se. Jesus praticou esse critério (Mt 4.12; Lc 4.29-30). Observe que não há mérito nenhum na busca do martírio e da perseguição. As pessoas não querem ser perseguidas, isso acontece tão somente por causa do evangelho.
     Os versículos 26 a 33 é dirigido aos apóstolos que estavam temorosos diante da inevitável perseguição por causa da fé em Jesus. Diante do temor, Jesus diz que os homens tem medo dos homens pelo simples fato dos mesmos serem capazes de tirar a vida. Assim, Jesus convida: “não tenham medo de ninguém...”, afinal, os perseguidores só podem atingir o corpo.
     A expressão “não os temais...” é a tradução do verbo grego que está no tempo pretérito indefinido. Assim, ao dizer “não os temais...”, Jesus estava dizendo: nem comecem a sentir medo. Fiquem tranquilos! 


 
No verso 28, o verbo “Não temam” está no tempo presente. É o mesmo que dizer, vocês estão proibidos de continuar a ter medo. Não há nada a temer.
Os perseguidores estão limitados em seu poder, o máximo que podem é tirar a vida. Deus, ao contrário, tem em suas mãos o destino do corpo e da alma (At 5.29).
     Não tenham medo, pois, os perseguidores só procuram destruir, mas, alguém superior a eles cuida e protege (Mt 10. 29-31). Deus tem um cuidado todo especial com seus mensageiros.
     Jesus não quer que o medo humano cale os apóstolos no testemunho sobre esse Deus amoroso e misericordioso. Amém!
Edson Ronaldo Tressmann

sábado, 24 de junho de 2017

ANIVERSÁRIO

113 Anos da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB)
24/06/ 2017 - Nesta data, o Sínodo do qual fazemos parte está completando 113 anos de fundação. A lembrança desta data é sempre importante, pois nos faz lembrar das dificuldades e das bênçãos de Deus sobre esta igreja no decorrer do tempo.
Sendo primeiramente atendido por pastores vindos dos EUA, logo a IELB passou a formar os seus próprios pastores devido à grande necessidade de anunciar o amor de Deus em solo brasileiro. Há ainda muito o que fazer, mas podemos contar sobre as muitas bênçãos de Deus sobre nós dizendo que a IELB é composta de 57 distritos, 531 paróquias, 2.025 locais de culto, 855 pastores (sendo que 623 atuam em paróquias) e 242.179 membros. Que Deus continue a cuidar desta sua Igreja!

sexta-feira, 23 de junho de 2017

MENSAGEM

Viva o orgulho
 
       "Hoje estamos celebrando o amor", dizia a postagem de uma rede social na internet. E completava: "Viva o Orgulho!" No entanto, o profeta Jeremias, já dizia há cerca de dois mil e seiscentos anos: "O Senhor disse: — O sábio não deve se orgulhar da sua sabedoria, nem o forte, da sua força, nem o rico, da sua riqueza. Se alguém quiser se orgulhar, que se orgulhe de me conhecer e de me entender; porque eu, o Senhor, sou Deus de amor e faço o que é justo e direito no mundo. Estas são as coisas que me agradam. Eu, o Senhor, estou falando" (Jr 9.23-24). Ao conhecermos Deus, conhecemos Jesus e o verdadeiro significado do amor, conhecemos a fonte da vida, e o prazer que é eterno. E, então, celebramos eternamente o verdadeiro Amor.
       Oração: Deus, ajuda-me a levar o teu amor a todos, especialmente ao que esquecem ou não conhecem a verdadeira liberdade. Por Jesus. Amém.
Leia em sua Bíblia Jeremias 9.29-24 -
HoraLuterana

quinta-feira, 22 de junho de 2017

BÍBLIA NO BRASIL

Nenhum texto alternativo automático disponível.
 
No ano em que se celebram os 500 anos da Reforma, vamos colocar a Bíblia no centro da vida do brasileiro.
Participe dessa campanha por um país diferente!
Aceite o desafio e juntos vamos distribuir um milhão de Bíblias ao longo de 2017. #MudeoBrasilpelaBíblia.
 
 


quarta-feira, 21 de junho de 2017

MEDITAÇÃO

Tragédias

A tragédia pode vir em um incêndio, um ato de terrorismo, uma briga de torcidas rivais. Às vezes conseguimos punir culpados, em outras, a própria natureza nos desafia com sua força ou ficamos sem explicação sobre as causas. Seja qual for a tragédia, a dor sempre a acompanha. E Deus? Diz o salmista: “Tu, ó Deus, vês e percebes o sofrimento e a tristeza e sempre estás pronto para ajudar” (Sl 10.14). Pronto a ajudar, Deus oferece esperança e futuro, e um novo mundo.

Oração: Pai, teu Filho Jesus nos promete vida eterna. Nas tragédias, lembra-me dessa promessa e consola meu coração. Amém.
Leia em sua Bíblia o Salmo 10

Hora Luterana

domingo, 18 de junho de 2017

REFLEXÃO

DONS DO ESPÍRITO SANTO

      Hoje, fala-se muito nos dons do Espírito e na importância de se buscar estes dons. Alguns lêem as passagens referentes aos dons como lei. Falam da necessidade de cada um descobrir o seu dom e, então, buscar um campo de ação. Alguns afirmam terem dons de curar, de falar em outras línguas, etc. E outros ficam muito preocupados e dizem: Não sei, não tenho dons especiais. Será que sou cristão? É importante lermos estas passagens de forma evangélica, e lembrar que...
      Cristo concede dons “quando e onde lhe apraz” (1 Co 12.11). Deus concede os dons na medida em que ele os julgar necessários. Os sinais “hão de acompanhar” (Mc 16.17) até onde e quando Jesus o julgar necessário. E nisto Deus nos dá um conselho: “Procurai com zelo, os melhores dons” (1 Co 12.31).  
     O que significa isto? Qual o parâmetro para se saber quais são os melhores dons? Infelizmente, acentua-se hoje, os dons antes do ofício. Isto é inverter as coisas. Cabe-nos olhar em nosso derredor para o nosso campo de ação e descobrir ali as necessidades das pessoas, da congregação, da igreja e então agir sobre as mesmas em amor, conforme nossa responsabilidade como pai, mãe, filho, filha, patrão, empregado, cidadão, autoridade (Cf.: Cat. Menor, Tábua dos Deveres). Isto nos leva à oração, para pedirmos a Deus forças, habilidades, dons, recursos para servir nestes campos. Isto é o contrário da busca de dons para auto projeção, ou auto realização, ou à base da exigência da lei. É importante notar que Jesus, ao conferir a Pedro novamente o apostolado não lhe perguntou sobre dons e habilidades, mas uma coisa só: “Pedro amas-me mais do que estes? ” (Jo 21.15).
      Espírito divino, / que vens do Salvador, / pedimos teu ensino / na ciência do Senhor. / Fazermos a vontade / de Deus vem ajudar, / perdão e santidade / em Cristo revelar. (HL 135.1)
Rev. Horst Kuchenbecker

sexta-feira, 16 de junho de 2017

MENSAGEM

Pelos maus!
 
       O amor nos faz cometer “loucuras”. Quando amamos alguém estamos dispostos a perder horas de sono para ficar ao telefone, limpamos a casa para receber visitas, gastamos dinheiro com presentes, deixamos de lado nossos interesses por uns instantes. No entanto, quem de nós faria isso por pessoas más? Quem faria isso por traidores, adúlteros e mentirosos? Jesus fez isso: “De fato, quando não tínhamos força espiritual, Cristo morreu pelos maus, no ...tempo escolhido por Deus.” (Rm 5.6) Amor divino, que nos alcança, transforma e reconcilia com Deus.
       Oração: Deus, a morte de Cristo mostra o quanto somos amados por ti. Enche meu coração com o teu amor. Amém.
Leia em sua Bíblia Romanos 5.6-11
Hora Luterana

terça-feira, 13 de junho de 2017

MENSAGEM

Despertador

        O despertador toca. Você pensa em ficar mais uns cinco minutos na cama. Afinal, o despertador tocará novamente.
       Mas não dá para ficar adiando tudo na vida. Hoje pode ser o nosso último dia aqui. E Jesus nos desperta: “Não fiquem aflitos. Creiam em Deus e creiam também em mim. Na casa do meu Pai há muitos quartos, e eu vou preparar um lugar para vocês” (Jo 14.1).
       Não adie sua vida com Deus. Com Jesus, você poderá acordar e dormir todos os dias em paz e dizer: “Eu me deito, e durmo tranquilo, e depois acordo porque o Senhor me protege” (Sl 3.5).
        Oração: Jesus, acorda-me do meu sono espiritual. E dá-me tua paz. Amém.
Leia em sua Bíblia o Salmo 3

domingo, 11 de junho de 2017

MENSAGEM

Não há terror

      Não há terror, miséria, decepções que possam apagar a grandeza de Deus. A sua grandeza é vista nas manifestações espetaculares da sua criação, como o horizonte ao pôr do sol ou a dança das marés, e também nas manifestações invisíveis, nos detalhes que não percebemos da composição do ar que respiramos, dos processos tão precisos em cada célula do nosso corpo. “Ó Senhor, Senhor nosso, a tua grandeza é vista no mundo inteiro” (Sl 8.1), confessamos. Sua grandeza é ainda mais espetacular em Jesus: o próprio Deus conosco, tocando nossas feridas, espalhando perdão e paz, mudando vidas com amor, não terror. Sim, Senhor, a tua grandeza é vista no mundo inteiro.
      Oração: Pai, em meio ao aparente caos, faze-me ver teu poder criador e salvador. Amém.
Leia em sua Bíblia o Salmo 8
Hora Luterana

sábado, 10 de junho de 2017

MENSAGEM

Quem ama, cuida.

“Quem ama, cuida”, ouve-se constantemente. Deus ama você. E quer cuidar de você. Talvez não pareça. Talvez você tenha chegado ao “fundo do poço” e sente-se hoje, abandonado. Mas Deus ama. E cuida. Com a morte do próprio Filho, Jesus, em seu lugar, Deus mostrou que o amor dele por você vai além do entendimento humano, além dos nossos sentimentos e da nossa análise da vida, das lutas e do sofrimento. O povo de Israel, ao reconhecer esse amor divino no dia a dia, nas dificuldades e desafios, cantou e nos convoca: “Deem graças a Deus, o Senhor, porque ele é bom; o seu amor dura para sempre” (Sl 136.1).
Oração: Deus do céu, obrigado por olhar para mim com amor. Preciso do teu cuidado. Em nome de Jesus. Amém.
Leia em sua Bíblia o Salmo 136.1-9
#HoraLuterana

sexta-feira, 9 de junho de 2017

MENSAGEM

PENTECOSTES

      O próprio Espírito testifica ao nosso espírito que somos filhos de Deus. Romanos 8.16.
      O Espírito Santo é o Espírito da filiação. Esta expressão mostra bem porque foi mandado ao mundo e qual o seu trabalho. O Espírito é também chamado de “ajudador” (Sl 54.4), “Consolador” João 14.16,26). “Advogado” (1 João 2.1). 
     Esta ajuda e consolo consiste exatamente nisto em ele nos mostra que com e por Cristo podemos vir a ser filhos de Deus, nos tornamos filhos de Deus. Por isso ele dá testemunho de Cristo e não de si mesmo. Ele nos pinta Cristo diante de nossos olhos. Ele nos ajuda a compreender, aceitar, nos apegar de que Jesus morreu por nós, por mim. Algo que nossa razão nem pode captar por si, pois lhe parece loucura. O Espírito Santo gera a fé em nosso coração, assim renascemos e recebemos vida nova.
      Tudo isso é algo que nós nem sempre notamos. O que nos sentimos e experimentamos muitas vezes é o contrário, grande fraqueza e desamparo. Em meio as fraquezas e desamparos, no entanto, se firma a confiança em Cristo. Uma confiança como a do malfeitor na cruz. Ele, em meio a suas cores de consciência e dores físicas devido a crucificação, deu ouvido as palavras de Jesus na cruz, recordou o que havia aprendido na infância e juventude e suplicou a Jesus humilde, ousado e confiante: “Lembra-te de mim quando entrares no teu reino”. Nessa fé suportou os suplícios finais. Assim sabemos: Nada mereço. Confio simplesmente na compaixão de Jesus Cristo. O Espírito Santo nos firma nesta convicção.
Quando o Espírito executa esta obra em nós, teremos, mais cedo ou mais tarde, o que chamamos de “certeza da salvação”, mesmo que esta certeza vacile, o Espírito Santo sempre a renova em nós. Ele testemunha ao nosso espírito de que Cristo morreu por nós, de que fomos batizados e aceitos por Cristo, de que recebemos Cristo na santa ceia para a certeza de nossa filiação e ressurreição. Em outras palavras, é um profundo sentimento de segurança, de salvação que enche nossa alma. Isto nos leva à gratidão e ao louvor. Uma certeza de que nada nos pode separar do amor de Cristo, pois Cristo está conosco e tem compaixão de nós. E podemos clamar: Pai Nosso. Aba Pai, sempre com o espírito renovado.
      Alguns, na verdade, julga ser isto algo bem natural de que todos somos filhos de Deus. Eles ainda não notaram os enormes montes que nos separam de Deus, nossos muitos pecados. O Espírito Santo nos mostra isso pela lei de Deus. Quando de repente nossa consciência começa a nos acusar, caímos facilmente num terrível desespero e angústia da qual nenhum consolo, nem distração nos podem tirar, a não ser o consolo do Espírito Santo, que dirige nossos olhos para a graça e misericórdia de Cristo. A voz de nossa consciência é por vezes tão arrasadora que nem ousamos crer de que somos filhos de Deus pela graça de Cristo. Nesses momentos o Espírito Santo nos aponta a verdade do evangelho. A grande e consoladora verdade do evangelho a nós pecadores. De que Cristo morreu por nós e encravou os nossos pecados na cruz. O Espírito Santo nos mostra de que apesar de nossos pecados, somos amados filhos de Deus e assim reergue a fé e com ela a certeza do perdão. Ele e o espírito da filiação.
      Vem, Espírito divino, nobre Ensinador. Vem, revela em teu ensino nosso Redentor. Grande Mestre, bom Consolador, teu poder em nós se mostre, regenerador. (HL 140.1)
 
Pentecostes Imagem 4

quarta-feira, 7 de junho de 2017

MENSAGEM

 
Contribuindo para um mundo melhor!
 
      A generosidade, a bondade, a busca por justiça e a responsabilidade com o outro acompanham a vida cristã. A nova vida e o novo mundo que Jesus oferece muda o modo como olhamos o mundo agora e nos ajuda a lidar com os desafios da vida em sociedade. Conselhos como “quem roubava que não roube mais, porém comece a trabalhar a fim de viver honestamente e poder ajudar os pobres” (Ef 4.28) revelam a preocupação divina com as pessoas e,... também, mostram como o amor “endireita” as coisas e pode transformar a realidade.
      Oração: Salvador Jesus, o teu amor mudou minha vida. Ajuda-me, com o auxílio do Espírito Santo, a mudar o mundo para melhor. Em teu nome. Amém.
      Leia em sua Bíblia Efésios 4.28
HORA LUTERANA
 
Criança, Crianças, Menina, Feliz, Pessoas, Grupo                   


terça-feira, 6 de junho de 2017

BATISMO

Sobre o Batismo. Deve-se somente batizar em água doce ou também pode ser em água salgada?

RESPOSTA: A Bíblia não nos dá uma a resposta à pergunta se a água do Batismo deve ser de fonte salgada ou doce. A pergunta que a Bíblia ajuda responder é diferente: como um elemento tão comum na face da terra, a água, pode trazer salvação, pode fazer discípulos de Jesus, pode nos fazer nascer para o Reino de Deus, como bem Jesus ensinou? A água encontramos em toda a terra, tanto de fonte doce como de fonte salgada. O nosso país é abundante nas duas formas. Não é por falta de água que deixaremos de fazer batismo. Agora, a obra salvadora de Deus em Jesus Cristo é única, só está nEle. Assim como Felipe batizou o etíope em Atos 8 quando encontrou uma fonte de água na Palestina, assim nós cristãos também temos a oportunidade de fazê-lo em nome do Deus que se relaciona conosco, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, porque conhecemos bem a real intenção de Deus para com todos os habitantes da terra, que é salvá-los eternamente em Jesus Cristo. Eis a oportunidade para continuamente batizarmos as pessoas que ainda não o foram, trazendo-lhes salvação em Jesus Cristo, não importando se a água é doce ou salgada.
Prof. Dr. Paulo Moisés Nerbas

segunda-feira, 5 de junho de 2017

MENSAGEM PARA SEGUNDA-FEIRA

Desânimo, frio e cansaço.
 
Há dias em que já acordamos desanimados. Mais um dia. Mais tensões. Mais trabalho. Mais insensibilidade. Mais injustiças. Mais cobranças. Mais derrotas contra tentações. Abatidos, sentimos sobre os ombros a dura realidade humana. E a desesperança tenta corroer mesmo as pequenas alegrias. “Mas a esperança volta quando penso no seguinte: O amor do Senhor Deus não se acaba, e a sua bondade não tem fim. Esse amor e e...ssa bondade são novos todas as manhãs; e como é grande a fidelidade do Senhor!” (Lm 3.21-23).
Oração: Salvador Jesus, teu amor por mim, explícito na cruz, aquece meu abatido coração nos dias frios da existência. Tu és tudo o que tenho, por isso, confio em ti. Aquece-me, Senhor. Amém.

domingo, 4 de junho de 2017

PENTECOSTES

 
Nós temos as primícias do Espírito (Romanos 8.23)

      Desde a queda de Adão e Eva em pecado, a morte entrou no mundo. Deus disse a Adão e Eva: Maldita é a terra por tua causa (Gn 3.17). O apóstolo Paulo afirma: Sabemos que toda a criação a um só tempo geme e suporta angústias até agora (Romanos (8.22). Desde lá o anjo que não guardou o seu estado original, procura desgraçar toda a criação de Deus (Judas 6).
      Porém, em meio a este mundo cheio de angústias, sofrimentos, gemidos e morte há o início de um novo começo para um mundo que não poderá ser destruído, no qual não haverá mais pecado, nem dor, nem sofrimento, nem morte. O início desse mundo é Cristo. Ele é a “primícias”. Ele concede vida, imortalidade a todo aquele que vem a ele e crê nele. A estes Jesus confere o Espírito Santo.
     “Primícia” significa a primeira dádiva. Deus havia ordenado ao povo de Israel que no início da colheita, o primeiro corte, o primeiro feixe colhido deveria ser oferecido a Deus em gratidão pela colheita. Para lembrarem que a colheita é dádiva de Deus. Esta primeira dádiva da colheita não era uma grande porção, mas o começo, a garantia de algo que segue.
      Da mesma forma acontece com o dom do Espírito Santo que recebemos. O Espírito Santo abre nossos olhos para Cristo, nos coloca em contato com Cristo, nos fez renascer e ter parte na vida e ressureição de Cristo. Esta dádiva do Espírito Santo, ainda não em sua plenitude, é o começo daquilo que nos acontecerá no dia da ressurreição, quando seremos totalmente transformados. Esta vida nova da reconciliação ainda está oculta. Somos salvos em esperança (v.24). Vivemos em fé e ainda não no ver. Estamos ainda na carne e no mundo em trevas. Mas o Espírito Santo está presente em nós. Ele sopra onde quer. 
     Ninguém pode captá-lo ou segurá-lo, ou provar que ele existe. Nós não podemos possuí-lo completamente. Nós podemos experimentar sua ação em parte. Nós gostaríamos de estar cheios do Espírito. Nós o desejamos e pedimos em orações que ele nos livre de fraquezas. O Espírito nos ajuda em nossas fraquezas de uma maneira bem diferente do que imaginamos. Pode ser que não encontramos mais palavras para expressar o que nos pesa no coração, nem sabemos orar como convém. Então o Espírito Santo entre em nosso lugar junto ao Pai com gemidos inexprimíveis (v.26).
      Que consolo. A vida nova é, portanto, algo que está em nós. Nós a temos em fé, mesmo quando nossa razão e nossos pensamentos fracos nem o podem captar direito. A presença de Cristo em nós não depende de nossos pensamentos lógicos, nossa compreensão e nosso raciocínio, mas é como o aconchego de uma criança a sua mãe. A vida de Cristo está simplesmente presente. Não precisa de palavras e compreensão. É uma realidade, não uma ideia ou visão do mundo. Recebemos esta vida no batismo, pelo qual fomos regenerados. Esta vida é fortalecida pela palavra de Deus e firmada pela santa ceia. Expressamos isto em nosso Credo Apostólico: “Eu creio...na remissão dos pecados, na ressurreição da carne e na vida eterna”. Temos as primícias. Este é o começo do mundo novo, da nova criação para a qual peregrinamos, guiados pelo Espírito Santo. (Baseado numa devoção do Bispo Bo Giertz).
      Ó Santo Espírito de Deus, / gracioso habitas junto aos teus;
      nos corações domina. / Celeste luz, teu resplendor
      revele em nós o seu vigor ; por tua ação divina.
      Vem dar, sem par, / vida pia / e nos guia
      ao buscarmos / tua face quando orarmos. (HL 144.1)

 
Pentecostes Imagem 2
Pentecostes

sábado, 3 de junho de 2017

REZAR O TERÇO MARIANO?

Na Igreja Luterana também se reza o Terço Mariano?

RESPOSTA: Na Igreja Luterana não se reza o Terço Mariano. Por quê? A resposta não é simplesmente "porque a Igreja Católica o reza". A Igreja Luterana não é anti-católica. Aliás, temos várias práticas na nossa liturgia que são também seguidas pela Igreja Católica Apostólica Romana. A razão para não se rezar o Terço Mariano é outra: o Terço pressupõe uma dignidade à Maria que não tem fundamentação bíblica, como, por exemplo, intercessora junto a Jesus. Embora cremos que Maria tenha sido uma notável serva do Senhor, não encontramos na Bíblia Sagrada alguma referência que a coloque como receptora de orações feitas por nós. Pelo contrário, a Bíblia apresenta inúmeras passagens que nos convidam, ordenam e estimulam a orar, mas somente a UM: a Deus, que se revela a nós nas pessoas do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Basta lembrar o que está escrito em Mateus 4.10: "Ao Senhor, teu Deus, adorarás; e só a ele darás culto”.  
Prof. Dr. Paulo Moisés Nerbas

sexta-feira, 2 de junho de 2017

FLORES NO ALTAR

Tenho dúvidas quanto à ornamentação do altar. As flores devem ser naturais? Ou podem ser arranjos de flores artificiais?

RESPOSTA: As pessoas que trabalham com a ornamentação do altar em nossas igrejas defrontam-se com a questão das flores quando arrumam os altares antes de cada culto. É um trabalho importante, pois se trata de deixar o ambiente de culto o mais agradável possível e liturgicamente correto.
     Busquei no site da nossa igreja-irmã, The Lutheran Chruch—Missouri Synod, algumas coisas interessantes sobre flores no altar. O artigo foi escrito pelo Rev. Dr. Greg Wismar, na revista Lutheran Witness de Maio de 2012.
     Vamos a algumas constatações do pastor Greg:
     Flores têm uma longa associação com a casa de Deus e com sua Palavra. O Antigo Testamento tem muitas referências à beleza das flores. Uma das expressões mais belas na Escritura está no Cântico de Salomão nas palavras do “Esposo” que diz, “Porque eis que passou o inverno, cessou a chuva e se foi; aparecem as flores na terra, chegou o tempo de cantarem as aves” (Cântico dos Cânticos 2.11-12).
     Referências a flores são encontradas nas palavras dos profetas, tais como . .    Oseias, que diz de Israel: “Serei para Israel como o orvalho, ele florescerá como o lírio e lançará as suas raízes como o cedro do Líbano” (Oseias 14.5). No Novo Testamento, o Sermão do Monte, registrado no Evangelho de Mateus contém as palavras de Jesus com respeito às flores: “Considerai como crescem os lírios do campo; eles não trabalham nem fiam . . . nem Salomão em toda sua glória, se vestiu como qualquer deles” (Mt 6.28-19). Flores sempre têm sido uma parte muito especial da boa criação de Deus trazendo alegria a seu povo.
     As citações da Bíblia sobre flores são um lembrete para nós para que confiemos na ação de Deus em nosso favor, tanto para nosso prazer como também pelo cuidado que Deus tem por nós. Mas o pastor Greg ainda lembra algo da Igreja Antiga sobre a utilização das flores:
     O surgimento de flores como uma característica especial nas igrejas cristãs iniciou nos primeiros séculos cristãos. A Igreja Antiga tinha consideração especial pelo sacrifício de suas vidas dadas pelos primeiros mártires. Muitas vezes, estes mártires eram enterrados próximo ou abaixo dos altares das primeiras igrejas, e flores eram trazidas para relembra-los e honra-los. Flores eram vistas como tendo uma associação especial com o paraíso e com os mártires.
É interessante lembrar que nós também em nossos dias costumamos enviar flores quando entes queridos partem. É uma maneira de prestar a nossa homenagem e reconhecimento a eles pelo convívio que tivemos. Em meio à tristeza da partida do ente querido as flores expressam beleza e certeza de que quem as criou também é o Criador daquele que está partindo para estar eternamente com Deus.
     Continuando a citar o uso de flores na história de nossos cultos o pastor Greg nos informa:
     Não somente flores eram colocadas no altar na Idade Média, mas também fragrâncias de flores, tais como lavanda, sálvia, manjericão e bálsamos eram espargidos no chão de maneira que sua fragrância fosse lançada enquanto fossem pisadas nas catedrais bem como em locais de igrejas paroquiais.  Engajar todos estes sentimentos no culto é uma tradição de longa data.
     No final do seu artigo o pastor Greg cita a escritora Jean Taylor e lembra algo bem evidente, mas importante sobre o uso das flores:
     Em seu livro de ajuda, Flores na Igreja, a autora Jean Taylor escreve que flores “trazem vida e cor à igreja e são uma lembrança constante da maravilha do mundo natural criado por Deus”.
     Ainda poderíamos acrescentar que as flores expressam beleza, alegria e glória. São usadas, portanto, para embelezar o templo ao mesmo tempo em que expressam a bondade de Deus.
     Ao arrumarmos nossos altares, estamos continuando uma tradição muito antiga nas igrejas. Flores artificiais são criações mais recentes, não expressam a criação de Deus e não fazem parte desta tradição de flores na igreja. Acho que mesmo o bom senso nos leva a utilizar flores naturais para nossos cultos, especialmente lembrando que no culto Deus vem a nós com sua palavra e sacramentos e tudo o que está na igreja, especialmente no altar nos deve ajudar a lembrar a ação de Deus em nosso favor. Aí flores artificiais não têm esta mensagem.
Prof. Ms. Raul Blum
Comissão de Culto

quinta-feira, 1 de junho de 2017