SBB

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

HOMENAGEM A REFORMA LUTERANA

 
    
Câmara dos Deputados homenageia Reforma Protestante
Igreja Luterana de Brasília, DF, participou da sessão solene nesta quinta-feira, 27/10
 
     O presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), convidou a Igreja Luterana de Brasilia, bem como todas as Igrejas Evangélicas do Distrito Federal, para uma Sessão Solene em homenagem aos 499 anos da Reforma Protestante, realizada no dia 27 de outubro de 2016, às 9h, no Plenário Ulysses Guimarães. 
     O mentor do evento foi o deputado João Campos (PRB-GO), que presidiu a sessão. Ele saudou a todos, dando destaque as igrejas presentes, nominando os seus pastores. Três pastores foram convidados para usar a tribuna; todos na condição de grandes líderes de suas igrejas. 
     A Igreja Luterana estava lá representada pelos pastor de Brasilia, DF, Roberto Kunzendorff Junior, e por alguns dos seus membros. E marcou o evento no início, meio e fim: No ínicio, com o vídeo dos 500 anos da Reforma (assista aqui); no meio com a música Digno é o Senhor (assista aqui), interpretada pela Rebeca Kunzendorff; e no fim com a musica Aleluia (assista aqui), interpretada pela Priscila Littig e pela Rebeca Kunzendorff. "Somente nós fomos convidados para cantar, e as músicas deveriam ser mais conhecidas de todos, uma vez que o evento era interdominacinal", destacou o pastor Roberto Jr.
     Segundo o reverendo, o presidente da Sessão ficou tão encantado com os louvores que, antes do fim da Sessão, formalizou o convite para que as cantoras luteranas participassem do evento que acontecerá no dia 8 de dezembro, às 9h, transmitido pela TV Câmara, quando haverá uma Sessão Solene para Celebrar o Dia da Bíblia.

REFORMA LUTERANA

A imagem pode conter: 1 pessoa , texto
 
HOJE CELEBRAMOS OS 499 ANOS DA REFORMA LUTERANA.
 
PARABÉNS A IGREJA LUTERANA!

DIA DA REFORMA LUTERANA, SIM! 31 DE OUTUBRO.

Nenhum texto alternativo automático disponível.
 
Cremos, como Igreja de Cristo Jesus, que não há mulher bruxa. São todas criaturas de Deus.
 
É uma falta de respeito para com a mulher, denominá-la bruxa.

domingo, 30 de outubro de 2016

REFLEXÃO

     Lucas 18.9-17. A parábola do fariseu e do publicano. – “Dois homens foram ao templo para orar”. Quantas pessoas será que foram ao templo no domingo passado? Quantos de sua congregação? – Ouçamos estas duas pessoas falarem com Deus. O fariseus, homem religioso e cumpridor da lei, “em pé, orava de si para si mesmo”. Agradece a Deus, não pelo que recebeu de Deus, mas apresenta a Deus suas obras. O publicano, um cobrador de impostos, que trabalha para a nação opressora, por isso era odiado por seus irmãos, no reconhecimento de sua indignidade, exclama: “Ó Deus, tem compaixão de mim, que sou pecador” (v.13). – Após isso, Jesus diz: “Digo a vocês que este [publicano], desceu justificado para a sua casa, e não aquele, fariseu (v.14).
       O que significa ser justificado por Deus? Católicos respondem: Uma pessoa é justificada por Deus em parte pelo perdão de Cristo, que Deus lhe oferece e em parte por suas boas obras que complementam a salvação. Para isso o Papa Francisco decretou no ano passado o “Jubileu da Misericórdia” de 08/12/2015 a 20/11/2016. “Um caminho extraordinário para a salvação. Espero – diz o Papa – que a indulgência jubilar chegue a cada um como experiência genuína de misericórdia de Deus”. Para viver e obter a indulgência os fiéis são chamados a realizar uma breve peregrinação para a ”Porta Santa” aberta em cada Catedral... entre outros passos ... “esta será para eles o modo de obterem a indulgência jubilar”. E a partir dela “o compromisso de viver a misericórdia para alcançar a graça do perdão completo e exaustivo pela força do amor do Pai que não exclui ninguém”. “A indulgência jubilar poderá ser obtida também para quantos faleceram”. A Bíblia diz algo bem diferente: “Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos seus pecados, e vocês receberão o dom do Espírito Santo” (At 2.38).
       Os Pentecostais dizem: “Se queres ser justificado, ore e lute até que consigas um coração novo e sintas que o recebeste e foste aceito por Deus”. Baseiam a certeza de sua salvação no seu sentimento e não na palavra de Deus, que chamam de letra morta. Ora, o sentimento é instável. Eles têm fé em sua fé. Que triste. – Vemos que a maioria dos cristãos esperam ser justificados por Deus pela graça de Cristo e suas próprias boas obras. É comum a afirmação: Deus fez sua parte, você precisa fazer a sua.
      Justificação do pecador diante de Deus é um ato exclusivamente de Deus, por amor a Cristo. Cristo, por sua obediência à lei, seu sofrer e morrer na cruz, reconciliou toda humanidade com Deus. Pela ressurreição de Jesus, Deus Pai declarou que aceitou o sacrifício de Jesus para reconciliação da humanidade. O perdão é um ato no coração de Deus. É ele que perdoa. O mesmo nos é anunciado pela palavra de Deus. É um ato jurídico, uma declaração. O documento que nos garante o perdão é a palavra de Deus escrita, o evangelho na Bíblia. Aceitamos isto por fé. A fé em si não salva, mas o que ela agarra, a graça de Cristo, esta nos salva. Há momentos em que sentimos a alegria, jubilamos. Há moimentos em que nos sentimos miseráveis, em que nossa consciência nos acusa. Então precisamos nos apegar à Palavra do evangelho, contra as acusações de nossa consciência, quer o sinta ou não. Firmado na palavra, posso dizer a minha consciência: Deus amou o mundo. Deus me ama em Cristo. Creio na remissão dos pecados, na ressurreição da carne e na vida eterna.
HK

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

REFORMA LUTERANA

A imagem pode conter: 1 pessoa , texto
 
 
IGREJA EVANGÉLICA LUTERANA DO BRASIL

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

REFLEXÂO

Muita calma nessa hora!

 Quando alguém está furioso e começa a discutir com você, qual é a sua reação? Muitas vezes, aumentamos a voz também, nos irritamos e o resultado é mais irritação e fúria, mais conflito! A Bíblia nos dá um conselho precioso: “A resposta delicada acalma o furor, mas a palavra dura aumenta a raiva” (Pv 15.1). Então, muita calma nessa hora! Peça que o Senhor do amor, Jesus Cristo, dê a você palavras sábias em respostas bondosas que tragam calma.

 Oração: Salvador Jesus, que o teu Espírito Santo me guie nas situações de conflito para que a tua paz prevaleça, trazendo equilíbrio às relações. Amém.
Leia em sua Bíblia Provérbios 15.1-5

EDUCAÇÃO

Família, Ensino e Igreja

No prefácio do Catecismo Maior o Reformador Matinho Lutero diz:
(...) Todo cristão necessariamente o deve conhecer. A quem o ignora não se poderia contar entre os cristãos, nem admiti-lo a qualquer sacramento. Da mesma forma como se exclui e considera imprestável o artesão que ignora os preceitos e a prática de sua profissão. Deve fazer-se, por isso, que os jovens aprendam bem e fluentemente as partes que pertencem ao Catecismo, ou instrução de crianças, e nelas se há de exercitar e ocupá-los diligentemente. Por isso é dever de todo pai de família, arguir, pelo menos uma vez por semana, um por um, seus filhos e empregados domésticos, e tomar-lhes a lição, para verificar o que se sabem a respeito ou estão aprendendo, e de instar seriamente com eles a que se empenhem no estudo, caso não conheçam a matéria. (...)

Lutero escreveu o “Catecismo Maior” e o “Catecismo Menor” com o intuito de poder oferecer aos cristãos um material com a finalidade de instruir as crianças e pessoas simples. Por isso, na sua ótica, todo cristão deveria conhecer o catecismo para poder usá-lo na instrução. Isso resulta da situação que foi constatada na visitação pastoral na Saxônia, em 1528 a 1529. Percebeu-se que as pessoas estavam sem instrução, por parte da família.

Lutero enfatiza que os jovens deveriam ser incentivados sempre para que aprendessem sobre o Reino de Deus. Fala da responsabilidade das três ordens, o pastorado, o regimento do casamento e família, e a autoridade civil para ensinar e disseminar o catecismo. Sua preocupação com o ensino inclui essas ordens, inclusive, fala que os pais aprendam primeiro para depois ensinarem os filhos, porque havia muita falta da instrução nas verdades do Evangelho.

Desse jeito, a família é o centro da educação, a responsabilidade paterna não está em somente dar nome, profissão e uma condição de vida aos filhos, está na formação de seu caráter. Os pais ensinando as crianças para viverem de acordo com o reino de Deus, isso colabora para uma transformação social, o que ajuda a Deus no seu governo sobre o mundo. A formação integral do ser humano é o que interessa Lutero quando se fala em ensino.

A função dos professores também é muito importante na formação das pessoas. Os professores não seriam apenas funcionários públicos, porém teriam um papel importante na formação espiritual da pessoa também. Sua proposta era de uma escola e professores cristãos, este seria um marco na cristandade, o qual teria reflexos na vida social, e proporcionaria uma transformação social. Sempre lembrando que enfatizava o Evangelho como pano de fundo na escola.

O educador ajuda aos pais na formação dos filhos. Por conseguinte está o papel da Igreja de incentivar o ensino entre os seus membros, devido à questão teológica envolvida, a saber, a pregação do Evangelho, no âmbito do plano de Deus para a salvação das pessoas. Resumindo, a educação começa em casa. Com a família e passa pela escola, sempre se lembrando da Igreja como a que provê a direção teológica, por meio da Bíblia, isto envolve o governo, que é um meio pelo qual Deus governa o mundo e a sociedade.

A responsabilidade de educar os filhos começa em casa com os pais. Fica a pergunta: Pais, vocês estão fazendo a sua parte?

terça-feira, 25 de outubro de 2016

PEC 241

5 frases que explicam a polêmica da PEC 241
     São Paulo – A Proposta de Emenda Constitucional 241, que estabelece um teto para os gastos públicos com correção anual pela inflação, passa hoje pelo seu segundo grande teste no Legislativo.
A expectativa é de aprovação com folga, mas a discussão sobre os méritos e problemas do projeto vai muito além do Congresso.
Entenda o que está em jogo através de 5 frases do último mês:
     “Não há regra ótima. Há a regra possível neste momento, até que esteja assegurada a trajetória de redução da dívida pública como proporção do PIB” – Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos, em nota (08/10)
     A simplicidade é um dos méritos da PEC 241. Com menos de três páginas, o texto define as poucas exceções para o teto e define claramente as consequências em caso de descumprimento.
     Entre elas estão o bloqueio de realização de concursos, de aumento salarial para servidores e de novos benefícios tributários que impliquem perda de receita.
     A medida é dura porque a situação também é. A dívida pública subiu 15 pontos percentuais só entre o final de 2013 e de 2015, atingindo 66% do PIB e podendo chegar a 73% já no final desse ano, muito acima da média dos países emergentes.
     O próprio Banco Central cita, em sua última ata, o avanço das reformas fiscais como elemento importante para o processo de desinflação que permitirá uma queda mais rápida dos juros e a retomada do crescimento econômico.
     “Mas eu pergunto, não se pode daqui a quatro, cinco, seis anos, de repente o Brasil cresce, aumenta a arrecadação, e pode se modificar isso? Pode, propõe-se uma nova emenda constitucional, que reduz o prazo de dez anos para quatro ou cinco anos. Ou seja, o país não ficará engessado em função do teto” – Presidente Michel Temer, em entrevista para a Globo News (13/10)
     Até alguns economistas que apoiam a medida consideram o prazo de 20 anos muito longo – nenhum país na história tentou um aperto tão rígido, tão abrangente e por tanto tempo.
Para Meirelles, o efeito seria “inócuo” se o prazo fosse menor pois “no momento em que a dívida começa a se estabilizar para cair, já estaria terminado o prazo de vigência da PEC”.
     Mas como Temer sugeriu, a tentativa de amarrar as próximas administrações pode não sobreviver a uma nova conjuntura política. Aprovar (ou revogar) uma emenda constitucional não é fácil, mas tampouco é fácil imaginar que um Congresso gastador como o nosso continuaria se amarrando mesmo diante de sobras de receita.
“Enquanto as reformas que possam diminuir os gastos em Previdência não acontecem, o único jeito será pegar a arraia-miúda. Os que normalmente são arrochados serão muito mais arrochado” – Raul Velloso, especialista em contas públicas, em entrevista para a Folha de São Paulo (17/10)
     A PEC define que quando o Congresso quiser aumentar recursos de uma área, vai precisar tirar de outras – mas sua liberdade para isso é limitada.
     Mais de 40% dos gastos federais vão para pagamento de aposentadorias e outros benefícios do INSS, obrigatórios por lei e que não podem ser cortados. E na medida em que a população envelhece, a tendência é que esse gasto continue crescendo rapidamente.
      No melhor cenário, a aprovação do teto cria pressão para que uma Reforma da Previdência seja aprovada no início do ano que vem. No pior cenário, os gastos com aposentadorias tomam um espaço cada vez maior e exigem um arrocho crescente de investimentos e outras áreas sujeitas a cortes.
       Segundo Velloso, Agricultura, reforma agrária, justiça e relações exteriores podem virar possíveis alvos. Educação e Saúde terão um piso corrigido pela inflação e não mais vinculado a receita, e ainda não dá para saber se o Congresso vai deixar por isso mesmo ou escolherá direcionar mais recursos para essas áreas.
“Eu nem trabalho com a hipótese de não aprovação” – Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, em evento com investidores em São Paulo (21/10)
     A PEC 241 foi aprovada pelo Congresso Nacional em primeiro turno no último dia 10 de outubro por 366 votos a favor, 111 contra e duas abstenções; eram necessários apenas 308.
     O presidente Michel Temer se empenhou pessoalmente nas negociações e a expectativa do governo é que a votação de hoje tenha um placar ainda mais folgado mesmo diante dos elementos novos no cenário político (como a prisão de Eduardo Cunha e os vazamentos da Odebrecht).
     O cronograma do Senado prevê análise final da PEC em 13 de dezembro. Até lá tudo pode mudar, mas por enquanto há pouca dúvida de que a medida deve passar – o que está embutido nas projeções de consultorias econômicas e na valorização do real em relação ao dólar.
“Não é só um ajuste que está na medida, é uma diminuição do tamanho do Estado” – Nelson Marconi, coordenador executivo do Fórum de Economia da FGV em São Paulo, em entrevista para EXAME.com (21/10)
     A PEC determina que o índice de correção dos gastos só poderá ser revisto no décimo ano, mesmo se a economia e a receita do governo se recuperarem rapidamente antes disso.
     Caso isso aconteça, os gastos cairiam em ritmo acelerado como proporção do PIB e o superávit primário atingiria níveis bem maiores do que os necessários para estabilizar a dívida.
     “Se o país voltar a crescer, nada mais justo e desejável que a sociedade se beneficie disso, sobretudo com mais e melhores políticas públicas. Não se deve almejar fazer primário por fazer primário”, defende um artigo publicado pelos economistas Monica de Bolle e Felipe Salto.
       Uma estimativa do Itaú Unibanco aponta que mesmo se o PIB crescer menos de 3% por ano, a despesa primária poderia cair de cerca de 20% em 2016 para 15% do PIB até 2030.
 

MENSAGEM DO DIA

 
 
TEXTO: SL 130

Davi expressa todo o seu sofrimento que estava enfrentando. Havia uma profunda angústia na vida do salmista, que o levou a clamar: Das profundezas clamo a ti, senhor. (v.1). O fato de pedir socorro demonstra a profundidade de seu sofrimento. Mas o que significa profundezas? Refere-se a uma metáfora usada pelo salmista para explicar a sua situação. Das profundezas no texto se referem literalmente as águas profundas, abismo, os lugares mais obscuros e sombrios. Traz a ideia de aflição e miséria total; de profunda dor, solidão e sofrimento; situação de desespero, frustração, derrota, onde a vida parece que está a um fio da morte ou do fim de sua existência; de insegurança profunda, de certeza quase que absoluta no fracasso e na desesperança.

Culpa, dor, sofrimento e amargura caracterizam a vida de quem comente pecado. Davi vivia nesta situação em função de seus próprios pecados. Ele não está falando de seus problemas no dia a dia, mas de seu afastamento de Deus por causa de seus pecados. Ele conhecia muito bem esta situação. Por isso, se sentiu angustiado porque todos seus pensamentos estavam concentrados em como Deus iria tratar seu pecado. Davi estava em falta com Deus, e Deus estava cobrando um perfeito arrependimento de seu servo. Davi não tinha outra opção. Ele precisava do socorro do Senhor. Somente o perdão divino poderia tirá-lo do mais profundo abismo Por isso, não bastava só clamar. Ele ora a Deus: Escuta Senhor, a minha voz; estejam alertas os teus ouvidos às minhas súplicas. (v.2).

Constantemente também passamos por grandes tribulações, profundezas espirituais, sofrimentos e adversidades, dos quais ficamos muito abalados. São sofrimentos oriundos das crises financeiras e conjugais, enfermidades, frustrações, ameaças, solidão e a nossa negligência espiritual. Mas como sair das profundezas? Clamando ao Senhor! Deus quer nos tirar das profundezas e renovar o nosso coração Quando nos encontramos nessa situação devemos olhar para o Senhor, o único que pode nos salvar, e clamar por socorro, pois temos um Deus em quem nós podemos sempre confiar. Ele sempre está conosco. Por isso, clame pelo socorro do Senhor e ele te ouvirá e virá ao seu encontro ministrando conforto, paz e alegria interior em sua vida.Alcemar Cabreira

domingo, 23 de outubro de 2016

MENSAGEM

Raiva

Caim estava furioso. “Então o Senhor disse: “Por que você está com raiva? Por que anda carrancudo? Se tivesse feito o que é certo, você estaria sorrindo; mas você agiu mal, e por isso o pecado está na porta, à sua espera. Ele quer dominá-lo, mas você precisa vencê-lo” (Gn 4.6-7). Caim não dominou sua raiva, e acabou assassinando o seu irmão, Abel. Nã...o deixe a raiva tirar a alegria do seu coração e abalar amizades e relacionamentos. Ouça a voz de Deus em sua Palavra; confesse suas dificuldades, fraquezas, lutas e pecados ao Pai e tenha seu coração acalmado pelo Espírito Santo. Jesus estará ao seu lado nesta luta.
Oração: Salvador Jesus, perdoa-me por deixar que a raiva me leve a pecar. Que a tua paz seja o árbitro em minhas decisões. Em teu nome. Amém.
Leia em sua Bíblia Gênesis 4.1-7 - Compartilhe #HoraLuterana

sábado, 22 de outubro de 2016

MENSAGEM PARA O FIM DE SEMANA

 TEXTO: LC 18. 9-14

TEMA: A CONFIANÇA DO HOMEM EM SEUS MÉRITOS 

 O homem julga a si mesmo perante Deus pela sua vida exemplar, pelos méritos e autojustiça. É egocêntrico, arrogante e não reconhece seus erros. Não reconhece a sua própria necessidade da graça de Deus. Jesus conta uma parábola, sobre o fariseu e o publicano. Os fariseus eram pessoas que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros. Os publicanos eram pessoas mal vista pelo povo. Eram cobradores de impostos, e exploravam o povo.

O texto afirma que "dois homens subiram ao templo para orar: um fariseu e o outro, publicano" (v.10). Dois personagens conhecidos entre o povo. O fariseu era conhecido como observador da lei. Considerado santo e justo, "orava de si para si mesmo". Enumera os pecados que nunca cometera e depois uma lista de suas virtudes e perfeições. Não havia demonstração de reverência a Deus em sua oração. Não havia petição. O que havia era uma apresentação de suas virtudes, uma demonstração de hipocrisia, uma apresentação convencida, orgulhosa, de suas virtudes em relação ao publicano; enfim, um sentimento de que Deus tinha que ouvi-lo e aceitá-lo pelo que ele era e pelo que tinha feito.

O publicano era cobrador de impostos. Explorava o povo. Era desprezado. Mas demonstrou uma atitude de humildade. Estava em pé, afastado, não havia desejo de ser ouvido por ninguém além de Deus. Ele nem sequer levantava os olhos para o céu. Sua percepção de Deus e de sua relação com Ele não lhe permitiria levantar seus olhos, mas antes baixa sua cabeça; bate em seu peito e diz: "Ó Deus, sê propício a mim, pecador!”. Esta oração curta, simples, continha todos os ingredientes necessários para ser ouvida por Deus. Nesta sentença há um reconhecimento da misericórdia de Deus, um conhecimento do pecado, uma consciência de que sem o perdão do Pai Celeste, se acharia sem esperança.

Com quem você se parece? Um fariseu orgulhoso ou um publicano humilde? Será que, por vezes, esta justiça do fariseu não encontra morada em nossos corações? Será que com nossas atitudes e posicionamentos de vida, agradam a Deus? Lembre-se: Não é o orgulho, posição, mérito ou ações próprias que farão mover a justiça de Deus em seu favor. Quantas obras aprovadas pelos homens, que Deus rejeita? Quantas posições honradas pelos homens, que Deus não reconhece? Quantos bons nomes, que para Deus são puro e simples disfarce? Devemos suplicar como o publicano: Ó Deus, sê propício a mim, pecador! Reconheço que não mereço nada da tua parte, a não ser castigo, sabendo disso, te peço compaixão, misericórdia pelo os meus pecados.

 

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

DEPRESÃO

Ter Depressão não é bonito. Dormir mais de 12 horas por dia não é bonito. Não ter vontade de levantar não é bacana. Chorar sem motivo não é drama. Não ter capacidade de fazer aquilo que vc mais gosta não é legal... se sentir incapaz é terrível. Ter maus pensamentos e perder a vontade de viver é doloroso. Sentir a vida passar enquanto a sua ta parada é cruel. Viver trancado dentro de si, cansar de viver e passar apenas a existir é cruel.
Se vc conhece alguém ou já teve Depressão copie e cole no seu mural para as pessoas entenderem que depressão é coisa séria, baixa de serotonina é coisa séria e não mera frescura.
Isso é muito sério! Mas tem tratamento!

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

terça-feira, 18 de outubro de 2016

REFLEXÃO

Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter...
calce os meus sapatos e percorra o caminho que eu percorri, viva as minhas tristezas, as minhas dúvidas e as minhas alegrias.
Percorra os anos que eu percorri para me preparar para a vida, tropece onde eu tropecei e levante-se assim como eu fiz. Derrame as lágrimas que eu derramei. Estude as horas que eu estudei. E então, só aí poderás julgar.
Cada um tem a sua própria história. Não compare a sua vida com a dos outros. Você não sabe como foi o caminho que eles tiveram que trilhar na vida.  (Clarice Lispector)

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

domingo, 16 de outubro de 2016

MENSAGEM

Filhos que entristecem seus pais!
Texto: 2 Samuel 18.33- “Ó meu filho! Meu filho Absalão! Absalão, meu filho!Eu preferiria ter morrido no seu lugar, meu filho!”.
     Uma das histórias da Bíblia que mexe com os sentimentos de muitas pessoas, é a de Absalão, o filho do rei Davi. Ele queria ser rei no lugar de seu pai e procurou roubar o amor do povo de Israel para si. Ele conseguiu formar um exército, mas na hora decisiva, na batalha final, foi derrotado e, ele próprio,...
Absalão, morreu. Ao saber do ocorrido, Davi chorou e disse: “Ó meu filho! Meu filho Absalão! Absalão, meu filho! Eu preferiria ter morrido no seu lugar, meu filho!” (2Sm 18.33).
      Por vezes, nos noticiários que vão ao ar pelos canais de televisão, vemos cenas parecidas: pais chorando a morte de seus filhos que não atenderam aos seus conselhos, que se envolveram com a criminalidade e terminaram seus dias de uma forma cruel. Sim, há filhos, amados pelos pais, que os entristecem, e muito. Há filhos que não querem ouvir seus sábios conselhos e arruínam sua vida e a vida daqueles que os amam.
      Portanto, pais: não tenham vergonha de falar do amor de Deus, do Salvador Jesus, daquilo que a sua palavra ensina a respeito do que é viver como um filho de Deus. Além disso, orem sempre pelos seus filhos e com eles. Levem-nos à casa de Deus, à igreja. E deem a eles um bom exemplo. Quando vocês errarem, peçam perdão. Quando vocês forem ofendidos, perdoem. Eles verão que a vida de vocês segue o discurso que lhes dão.
      Filhos: embora às vezes pareça que seus pais sejam chatos, lembrem-se de que é o próprio Deus, o Salvador de vocês, que espera de vocês respeito e honra para com os pais.
      Pais e filhos erram, mas apesar de suas fraquezas, Deus permite que tenham um bom relacionamento de amor e perdão por causa da salvação que há em Cristo Jesus.
      Oremos: Pai nosso, ajuda-nos para que nos nossos lares, pais e filhos sigam os teus ensinamentos, a fim de que neles haja abundante vida em amor. Amém.
Hora Luterana

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

MENSAGEM DO DIA


TEXTO: MC 10.13-16

DEIXAI VIR A MIM OS PEQUENINOS

Hoje é o dia 12 de outubro, dia especial dedicado às crianças. Acredito que todas as famílias, escolas, igrejas e a sociedade em geral estão celebrando o Dia das Crianças neste momento. Ao celebrar, não ofereça apenas presentes às crianças, mas transforme este dia num momento especial, para que elas possam sentir o quanto são importantes. Acima de tudo, entender o mundo mágico que elas vivem.

Muitas coisas poderiam ser dito a respeito das crianças neste dia. Entendo que o mais importante, que se pode dizer às crianças é que o Salvador Jesus, ama a todas. Ele mesmo disse: “Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus”. São belíssimas as palavras de Jesus. Algo que vale apena meditar muito mais, do que os presentes que, muitas vezes, oferecemos, quando na verdade as crianças precisam de amor, carinho, afeto e orientação espiritual.

As crianças foram levadas para serem abençoadas por Jesus. Entretanto os discípulos achavam que não seria importante a presença destas crianças na convivência com Jesus. Jesus não gostou da ideia. Vendo isto, “indignou-se” e disse: “Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus”.

Jesus poderia ter seguido o conselho dos discípulos, despedir os pais com as crianças, mas não fez. Ele julgou muito importante dar atenção às crianças, ao alertar os discípulos, pais, professores, lembrando-nos a grande responsabilidade que temos para com os nossos filhos. Por isso, pais ofereçam aos seus filhos uma boa educação cristã. Traga-os aos pés de Jesus. Jesus se importa tanto com as crianças que Ele diz: “Qualquer, porém, que fizer tropeçar a um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse afogado na profundeza do mar” (Mt 18.1-6).Estamos levando nossas crianças à presença de Jesus? Há espaço para elas no culto? Inculcamos a Palavra do Senhor. Ensinamos no caminho em que devem andar?

Portanto,deixemos os pequeninos estar com Jesus através das histórias bíblicas que lhe deverão ser contadas em casa, na escola dominical e nas aulas de religião. Deixemos os pequeninos entoarem belos cânticos.FELIZ DIA DAS CRIANÇAS!

MENSAGEM DA SEMANA

TEXTO: LC 17.11-19 - A cura dos 10 leprosos.

TEMA: VOLTEMOS PARA AGRADECER A DEUS PELAS BÊNÇÃOS RECEBIDAS!

Na Bíblia há vários exemplos de gratidão. Vejamos um caso que aconteceu com o próprio Jesus. Ele estava indo para Jerusalém para ser crucificado. Esta era sua última viagem. No caminho, passando pela Galileia e Samaria, entrou numa aldeia. Dez homens apelaram para a misericórdia de Jesus, pois viviam uma situação desesperadora. Eram leprosos. Eram pessoas que sofriam com a discriminação e o preconceito. Pessoas que perderam a família, os amigos, o emprego e os bens. Suas vidas estavam destruídas, perdidas, acabadas. Que situação horrível viviam estas pessoas! Jesus atendeu o pedido e curou aqueles homens. Mas somente um voltou para agradecer a Deus. Voltou, louvando a Deus em alta voz, e caiu com o rosto em terra aos pés de Jesus, agradecendo-lhe. Os outros nove não voltaram para agradecer a Deus pelas bênçãos recebidas!

Esta ingratidão demonstrada pelos nove, também acontece com muitas pessoas. Estas pessoas são curadas, abençoadas, mas poucas querem estar aos pés de Jesus. Poucas querem ter compromisso com ele, servindo-o como Rei, como Deus e Senhor. Chegam a Deus, apenas por necessidade, mas não por gratidão. Também tem aquelas pessoas que não tem tempo para agradecer a Deus, pois estão envolvidas com seus afazeres e com as prioridades e esquecem de Deus. Às vezes, tem tempo para tudo, para família, trabalho, estudos, lazer, mas não encontram tempo na agenda para agradecer a Deus.

Que gesto posso ter, ou que comportamento como forma de expressar minha gratidão por tudo que tenho recebido de Deus? O que eu e você podemos fazer mais para Deus, como forma de expressar gratidão? Será que nossas atitudes realmente revelam que há em nós um coração grato? Será que temos agido com compromisso na obra de Deus, como uma forma de demonstrar coração grato? Será que temos orado e meditado mais na palavra do Senhor como forma de evidenciar gratidão? Enfim, será que voltamos para agradecer pelas bênçãos recebidas!

É preciso voltar! Temos muitos motivos para agradecer ao Senhor. Agradecer pelo cuidado, amparo, proteção que Deus tem reservado a cada uma de nós; agradecer a Deus pela vida, pelo ar que respiramos, pela saúde, pelo trabalho. Ele nos dá diariamente e abundantemente tudo o que necessitamos para sustentar o nosso corpo e alma. Tudo o que somos tudo o que temos e tudo que recebemos vêm de Deus; agradecer pelas bênçãos espirituais. Deus enviou seu Filho Jesus Cristo que sofreu e morreu na cruz para nos reconciliar com Deus, concedendo assim o perdão de nossos pecados, a vida eterna, a fé, o amor. Enfim, agradecer a Deus por tudo que Ele tem feito e ainda fará por nós!

Estimados irmãos! Mesmo que vocês estejam sofrendo, enfermos ou passando alguma dificuldade; desprezados, zombados e ridicularizados em diversas ocasiões da vida, voltem para agradecer a Deus! Agradeçam ao Senhor e una seu sofrimento a cruz de Cristo.
Amém.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

NOTÍCIAS

Fotos do 19º Congresso de Servas do DIPARSUL, realizado no dia 9 de outubro de 2016 em Aterrado Alto, Imbituva, PR. Excelente devoção de abertura com o Departamento Feminino de Bom Jardim do Sul. Palestra com o pastor Valdo Weber e esposa Lea Weber. Fantástica. Ótima, Parabéns ao casal. Teste de conhecimento Bíblico sobre Eclesiastes 1,2,3. Parabéns a todas as servas pelas notas conquistadas. Mostraram que realmente estudaram. Comida excelente - parabéns cozinheiras a assadores. A tarde tivemos a participação da representante da LSLB, senhora Neuza Cleci Nerling que nos trouxe mensagem da parte da diretoria da LSLB e falou dos projetos da Liga. Um dia maravilhoso na companhia de gente maravilhosa e de um amigo especial - Jesus Cristo.
 
 






 
Palestrante, pastor Valdo Weber.

 
Palestrante, psicóloga Lea Weber.

 
Pastor local,  Roberto Couto.



 
Servas de Prudentópolis, alegres com o 1º lugar no Teste de Conhecimento Bíblico.

 
Pastor Danilo Neunfeldt, de Cruz Machado.
Alegrando as servas contando algumas piadas do Francinaldo.

 
Pastor Martinho F. Voss, de Prudentópolis. Conselheiro do DIPARSUL, procedendo com a cerimônia de instalação da nova diretoria das servas, que é de Bom Jardim do Sul.


sábado, 8 de outubro de 2016

MEDITAÇÃO

A VERDADEIRA RIQUEZA: FÉ EM JESUS

Texto: Mc.10.17-30
     “Para os seres humanos isso não é possível; mas, para Deus é. Pois, para Deus, tudo é possível” (Mc 10.27).
      Falar sobre Jesus Cristo não é algo que agrada as pessoas! Muitos somente querem Jesus quando estão em grandes apuros. O coração da pessoa precisa ser trabalhado para que a mensagem do perdão e salvação possa produzir frutos. A exemplo do profeta Amós, precisamos ouvir mais o convite: “Buscai ao Senhor e vivei”. E quando ouvirmos Deus perguntando, “a quem enviarei?” precisamos responder prontamente: Envia-me a mim, Senhor.
      No seu diálogo com um moço rico que queria conseguir a vida eterna, registrado no evangelho de Marcos, capítulo 10, Jesus novamente chama a atenção dos seus discípulos. “Como é difícil os ricos entrarem no Reino de Deus” (Mc 10.23). Jesus não condena o rico e a riqueza, porém nos faz refletir sobre o fato de que ela pode ser um empecilho no caminho que nos leva aos céus. O espírito de autossuficiência firmado nas riquezas domina de tal modo o moço rico, que o convite de Deus pouco o atrai.
      Os bens materiais afastaram um jovem de Cristo. Assim, Jesus conclui: “É mais difícil um rico entrar no Reino de Deus do que um camelo passar pelo fundo de uma agulha” (Mc 10.25). O dinheiro é um grande bem, mas pode tornar-se um grande mal. É uma benção de Deus quando obtido com honestidade e aplicado conforme a vontade de Deus. Até mesmo estes bens são de Deus. Somos simples administradores destes bens de Deus.
      Jesus leva os seus discípulos e a nós a uma grande reflexão: Nem o rico e nem o pobre entrarão no reino de Deus se a fé não estiver depositada somente nele. Foi o que os discípulos perguntaram: “Então, quem é que pode se salvar?” E Jesus responde: “Para os seres humanos isso não é possível; mas, para Deus, é. Pois, para Deus, tudo é possível”.
     Oremos: Santo e verdadeiro Deus, te agradeço pela maior riqueza que tenho, que é a fé em Jesus Cristo. Fortalece, pela tua palavra, a minha fé em Jesus. Abençoa este dia e a semana de atividades que inicio. Em nome de Jesus. Amém.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

REFLEXÃO

Sente-se culpado?

 A culpa é um dos piores sentimentos humanos. Ela sempre bate à porta do nosso pensamento querendo atormentar a nossa vida. A culpa aponta os nossos erros. E os nossos erros castigam a nossa consciência. O medo do castigo por algo que você fez de errado está perturbando você?
Se você se sente assim, é porque está arrependido dos seus pecados e da decisão de viver pelas suas próprias forças. Você está arrependido? Saiba que Deus aceita o seu arrependimento. Não porque você merece, mas porque Jesus já pagou o preço dos seus erros passados, presentes e futuros.
Portanto, entregue o fardo pesado da culpa para Jesus e descanse a sua alma na certeza de que em Jesus Cristo todos os seus pecados foram perdoados. Amado Deus, livra minha alma de todo o sentimento de culpa, fortalece a minha fé em Jesus como o meu Salvador. Amém.


Oração:
Obrigado, bondoso Deus, por abençoar a minha vida em mais esta semana. Sou grato pelo perdão que recebi de ti através do sacrifício de Cristo. Dá-me força e motivação para levar o teu amor às pessoas. Abençoa o trabalho de “Cristo Para Todas as Nações”, para que continuem semeando a tua Palavra. Capacita-me a também semear o teu amor, hoje e sempre. Amém. (HL)

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

REFLEXÃO

Nenhum texto alternativo automático disponível.
 
Bíblias não são mais lidas nas escolas, mas sua leitura é incentivada nos presídios.
Se as crianças pudessem lê-las nas escolas, talvez não viessem a lê-las nos presídios! O que acham?

terça-feira, 4 de outubro de 2016

MENSAGEM DO DIA

TEXTO: JO 6.60-69

TEMA: SENHOR, PARA QUEM IREMOS?
      Para onde ou para quem iremos em face da situação do mundo de nossos dias? Quando reinam intranquilidade, inquietação, insegurança e desorientação entre os povos? Vemos o homem frustrado e ameaçado de extermínio, desorientado e tornando-se cético. Já não sabe a que partido político deve aderir, que corrente filosófica deve defender, a que igreja deve se filiar.
     Diante desta gigantesca babel, o homem é levado a indagar: Senhor, para quem iremos? Em quem posso depositar confiança? Onde encontrar a solução dos meus problemas que martirizam minha consciência? Pedro responde:” Senhor... tu tens as palavras da vida eterna; e nós temos crido e conhecido que tu és o santo de Deus”. Nós não queremos nos retirar. Tu és o nosso Mestre, nosso Guia e Salvador.
     Para quem iremos! A pergunta que atormenta o ser humano, quando a vida parece sem sentido e quando a frustração parece universal; quando a alma angustiada se agita em convulsões de desespero; quando a dor do fracasso surge em nossa caminhada; quando em nossa casa vivemos momento de extrema aflição.
     Iremos para as leis humanas! Para as novas constituições, pensando que elas resolverão o problema? Não são as leis humanas que resolvem o problema do homem. Iremos para a filosofia, para a ciência? Para as novas tecnologias? Nenhum desses caminhos poderá conduzir-nos a Deus. Não sou eu quem afirmo, mas a Palavra de Deus, diante de uma pergunta que o próprio Jesus faz:” Porventura quereis também vós outros retirar-vos”. Pedro, o corajoso, responde: Para quem iremos? ... tu tens as palavras da vida eterna; e nós temos crido e conhecido que tu és o santo de Deus.
     Ficar ao lado de Jesus, ouvir sua palavra de vida, foi a decisão de Pedro. Qual é a sua decisão? É importante afirmar que não tenho outro caminho, refúgio nos momentos de angustia do que a presença de Jesus, porque somente Ele é o Deus que pode me socorrer diante dos nossos dilemas. Enfim, posso dizer: Senhor, eu não tenho outro refúgio na angústia de minha alma! Não tenho ninguém em quem confiar na vida e na morte, senão a ti! Tu tens as palavras da vida! Amém.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

MES DA REFORMA

A imagem pode conter: 1 pessoa , texto





Outubro mês da Reforma. Reforma não é criar algo novo, mas consertar o que não está certo. Lutero fez isto na Igreja Medieval, usando como base a Bíblia.

SERMÃO


SERMÃO PARA O 20º DOMINGO APÓS PENTECOSTES – 02/10/2016
Lucas 17.1-10
TEMA: Somos servos de Deus!
      Pregar sobre este texto não é fácil. Pois é necessário entender o escândalo do texto que consiste em uma linguagem de escravidão.
      Mas, Jesus quer nos ensinar quão importante é termos aquela humildade de servo que nos compete diante de Deus.
       O exemplo de uma serva indigna, confessando que apenas fez o seu dever, poderia ser a mãe, cujo amor não mede esforços quando se trata da vida do filho, e que não trabalha para merecer dinheiro ou gratidão, mas simplesmente porque ama o seu filho.
       Assim também nós... em relação a Deus: Servimos a Deus porque amamos a Deus. Este serviço para Deus, se manifesta em serviço ao próximo e será o documento de liberdade.
       O objetivo do ensino de Jesus consiste em motivar-nos a viver com humildade diante de Deus em nosso compromisso de lhe servir, expressando gratidão, que nos trará liberdade e bênçãos da parte de Deus.
       Na década de 1980, uma música muito conhecida repetia a frase: “a gente somos inúteis”. 
       Este refrão bem-humorado lembra este ensino que Jesus passou aos seus discípulos, em Lucas capítulo 17, versículo 10: “Depois de fazerem tudo o que foi mandado, digam: somos servos que não valem nada porque fizemos somente o nosso dever”.
       O que Jesus queria dizer com isso?
      A mensagem contida nesta frase é a de que um cristão, diante de Deus, reconhece que não fez nada para merecer o favor divino. Se não fosse o amor e a graça de Deus, nada seriamos. Nós somos apenas servos inúteis.
       Esta frase de Jesus contém uma grande verdade. Ela precisava ser mais lembrada, até mesmo nas igrejas. O que mais se ouve hoje nas igrejas é o contrário do que Jesus falou.  
       As pessoas acham que têm direitos diante de Deus. Alegam que também são filhos de Deus e que, por isso, não poderiam enfrentar dores, sofrimentos, dificuldades.
       Quantos elogios ditos, quantas homenagens são realizadas desnecessariamente. Deveríamos lembrar mais que somos apenas servos inúteis. Não fizemos mais do que a nossa obrigação, aquilo que deveríamos ter feito e, na maioria das vezes, nem mesmo terminamos o que começamos.
       Lembrar e viver esta palavra de Jesus talvez não dê ibope. Lembrar e viver esta palavra de Jesus pode até mesmo causar certo embaraço entre as pessoas. 
      Mas ela foi dita e contém uma grande verdade. Precisaríamos aprender a olhar muito mais para a graça de Deus, para o amor de Deus, para a compaixão de Deus do que para nós mesmos e as obras que fazemos. Deveríamos ser mais humildes. Isso nos tornaria mais agradecidos e conscientes de que podemos melhorar a nossa maneira de ser.          
    As palavras de Jesus, na verdade não pregam servidão, mas libertação. Vamos analisar:
      1. Somente o escravo de Deus é livre neste mundo. Escravos de Deus não podem ser escravos de outros. A atitude do apóstolo Paulo o exemplifica: A autodenominação servo de Jesus Cristo (Rm 1.1; Gl 1.10; Fp 1.1) é, a um só tempo, expressão de humildade e de autoridade. 
      Frente a ataques dos opositores, Paulo reage ressaltando a sua dependência de Cristo, respectivamente de Deus (cf. Gl l.lss). Assim também acontece com o pastor em paróquia e com o cristão no mundo: somos tanto mais livres quanto mais estivermos comprometidos com Deus.
      Essa liberdade manifestar-se-á em atitudes corretas frente a pessoas, estruturas, instituições, programas, ideologias, sistemas, etc. 
       Quem é servo de Deus, não se deixa enrolar, não se deixa escravizar pela maneira de viver do mundo. Fará assim como recomenda o apóstolo Paulo: examina todas as coisas, e retém o que é bom (l Ts 5.21).
     Certamente atitude correta, ou crítica não é sinônimo de permanente oposição. Mas é aquele exame criterioso das coisas com o objetivo de denunciar o pecado e se engajar na prática do bem.
      Simultaneamente, também devemos entender que o escravo de Deus resiste a escravizar os seus semelhantes. Ele é livre neste mundo, sim! Entretanto, não usa a liberdade por pretexto de malícia (l Pe 2.16).
       Se só Deus é Senhor, não posso ser o senhor do meu próximo. “ ... um só é vosso Mestre, e vós todos sois irmãos”. (Mt 23.8) Livre é aquele que desiste de querer dominar os outros.
      2. Como escravos de Deus somos livres da necessidade de nos projetar, de sobressair, de sermos aplaudidos. Verdade? O nosso mundo seria diferente se esta maldita necessidade, de termos que aplaudir nossas obras, não existisse. Não haveria aquela louca correria por status, por um lugar ao sol, por poder, não haveria o culto aos gênios, não haveria aquela infernal disputa por prestígio.
       Quanta energia é gasta, neste nosso mundo, por um pouco de projeção, por uma menção nos jornais, quanto esforço empreendemos por um triunfo por sobre outros.
       O problema é: quem monopoliza a luz do sol, condena outros a viver na sombra.      Mais ainda: a necessidade de projeção nos faz hipócritas. Precisamos aparentar algo que não somos. Precisamos aparentar uma fé que não temos, sacrifícios que não fizemos, posição que não ocupamos.
       A necessidade de projeção nos faz injustos,   cruéis nos nossos juízos,   porque julgar os outros é uma maneira de ressaltar-se a si mesmo. A necessidade de ser melhor que o outro nos leva a matar o próximo. Eis aí a violência contra o próximo, famílias desunidas, as guerras.
       Porque Caim matou seu irmão Abel? Porque ele queria ser melhor, ter status diante de Deus, quem sabe diante do pai e da mãe. O pecado continua a destruir.
     O escravo de Deus não tem necessidade de entrar nessa corrida por projeção. Deus, por acaso, já não nos deu dignidade suficiente? Ele não nos valorizou, declarando-nos sua propriedade no batismo?
       Naturalmente, também para o cristão, é doloroso jamais receber uma palavra de agradecimento. A falta de gratidão entre os homens é sinal alarmante de quanto são escravos de si mesmos e de um sistema em que impera a lei da projeção.
      No entanto, o cristão não depende do reconhecimento de outros. Ele tem a liberdade de renunciar à gratidão e ao reconhecimento humanos. E esta me parece ser a renúncia mais difícil.
       Sob a perspectiva cristã é simpático aquele que não busca a publicidade, que não toca a buzina diante de si, que não faz caso de suas obras, que não se faz grande, que não procura a promoção própria.
      Vejamos o alerta de Jesus em Mt 6.2, para aqueles que buscavam aplausos do mundo: “... eles já receberam a recompensa”. Que recompensa? Os aplausos do mundo, nada mais vão receber.
       Ao mesmo tempo, porém, Deus promete recompensa aos que desistem de exigir recompensa. Ele vai engrandecer aos que dizem: Servos indignos somos, porque fizemos apenas o que devíamos fazer. Gratidão só recebemos como presente. Deus não tem o dever de agradecer a seus servos, mas ele o fará, se lhe deixarmos a liberdade para tanto.
      3. Vivemos numa época em que muito se fala da necessidade de colocar sinais do reino de Deus neste mundo. E de fato, a Igreja está traindo a sua missão. Ela, em muitos casos,  não está sendo a cidade edificada no monte que não pode ficar oculta (Mt 5.14).
       Mas, uma coisa é ser sinal, outra é querer colocar sinais. A vontade de colocar sinais está perigosamente próxima da vontade de se projetar. Onde está aí o limite?
     A situação, realmente, é desgraçada: esperam-se sinais da Igreja e dos cristãos. Pergunta-se: o que a Igreja fez? Os jornalistas precisam de fatos concretos, eles querem enumerar: a Igreja fez isto, isto e aquilo; fulano, por motivos cristãos, assim agiu e assim falou; estes são os sucessos da Igreja, estes os seus fracassos, estas são as suas obras.
       Que tentação!! Ainda temos a liberdade de renunciar à projeção?
       Neste texto, a Palavra de Deus nos ensina que, os sinais mais brilhantes serão sempre aqueles que começam a brilhar por si, as obras feitas em humildade, apontando para o sinal por excelência que é Jesus Cristo. A Igreja ou o cristão não deveriam querer colocar sinais, eles deveriam ser sinais pelo simples fato de serem escravos de Deus, e por isto livres neste mundo.
       Deus nos amou, deu o seu Filho Jesus, que pagou por todos estes pecados e os venceu, porque querer correr atrás disso tudo de novo? Deus nos amou, ele é o nosso Senhor, e isto nos basta.
       Sejamos servos humildes servindo com dignidade ao nosso Senhor. Amém.

domingo, 2 de outubro de 2016

MENSAGEM DO DIA

   
Alcemar Cabreira
 
TEXTO: SL 14
TEMA: NÃO SEJAMOS INSENSATOS, MAS SÁBIOS.

Vivemos numa sociedade onde somos tratados, em dados momentos, de forma injusta por determinadas instituições ou pelas pessoas. Elas se reúnem para falar mal, julgar, discriminar e ridicularizar os outros. As pessoas que agem dessa forma são vazias, não têm nada a oferecer, são tolas, ignorantes, por isso, têm esse tipo de comportamento.

O salmo retrata esta situação. Os mestres e líderes do povo de Israel não buscavam a Deus, ou seja, eram insensatos. Eles ridicularizavam os conselhos dos humildes. Eram obreiros da iniquidade. Desprezavam o povo de Deus. Eram pessoas que não agiam com sabedoria em sua vida espiritual e ética. Pessoas que não sabiam fazer escolhas corretas. Por isso, eram consideradas insensatas, e uma de suas grandes tolices é chegar ao ponto de afirmar que Deus não existe.

O insensato avalia seu caminho e o classifica como justo. Ele rejeita os conselhos e reage muito mal às criticas, mesmo que sejam realmente construtivas e bem intencionadas, pois a ideia de que precisa ser corrigido por outras pessoas, atinge diretamente seu orgulho. O tolo orgulhoso sofre por causa das coisas que diz. O tolo é descuidado e age sem pensar. O tolo se diverte com as suas tolices. Quando o tolo fala, ele causa a sua desgraça, pois acaba caindo na armadilha das suas próprias palavras.

Como cristãos, tenhamos cuidado com a maneira como vivemos e que não sejamos como insensatos, mas como sábios. Esta é a recomendação do apóstolo Paulo, conforme Efésios 5.15 e 16. Dentro da importância do testemunho cristão, Paulo exorta seus leitores a verem cuidadosamente a maneira como estavam se portando perante os de fora. Esta deve ser a nossa vivencia: viver de acordo com os ensinamentos das Escrituras, como sábios e não tolos. No que consiste o andar com sabedoria: Consiste em fazer a vontade de Deus. Por isso, queremos ser o sal da terra, uma luz para as pessoas, refletindo a sabedoria e o amor de Deus. Amém.